quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Christmas Sadness

É Natal...

Acordo para um dia cinzento com o som de fundo do que me parecia mais uma discussão...
Dou uma volta na cama para ver se passa, como se passasse alguma vez...

Acabo por desistir, logo pela manhã, antes de sair da cama.
Que hoje vai ser um bom dia.

Volto a virar-me na cama e ao menos isso não falhou. Tenho uma mensagem dela, a esperança para o que quer que seja para este dia está há distância. Mas mesmo assim, a esperança está lá.

Saio do quarto, pézinhos de lã para que ninguém me oiça, vejo como tá a situação e volto para o quarto. Não que isto seja um porto seguro... Não nesta casa. Mas enfim. 
Hoje é Natal.

Quando finalmente decido sair e ver o mundo vou dar os olás e encontro a minha mãe de trombas porque lhe venderam um Bolo Rei que era maior do que o que ela queria e foi mais caro por isso.
Só temos Bolo Rei este ano e fatias douradas. 
Mas yey, é Natal.

E isto, tudo na primeira hora do que é suposto ser Natal.

Passo o dia a jogar para não estar neste mundo, como se pudesse assim resolver tanta coisa.
E passo assim o dia, entre jogos, séries e filmes, a tentar afastar a ferida que tanto dói e não cauteriza por nada.

Afasto-as, engulo-as porque não é o dia. Porque para mim nunca é o dia.
E vem o jantar... Onde antes éramos quase 50, somos dois agora com a TV desligada.
Onde antes reinava o barulho de crianças, e a felicidade de gerações agora encontrão-se duas pessoas amarguradas pelo que já não existe.

Nem árvore, nem presépio, nem uma só decoração. Natal, apesar de ser aquela época que nunca fui o maior dos fãs, sempre gostei de ver a casa decorada. Este ano?
...not a trace of Christmas.

E yah, o Natal não sobre as prendas, é sobre estar com a família, mas e quando ambas as coisas não são como antes (se bem que as prendas não me importam), o que resta para celebrar? O que é que tenho para celebrar o Natal?

Os dois. E ainda mais o pequeno. Poder entrar numa nova vida.

A razão pela qual tanto o amo é entre as mais variadas, o facto de eu ter querido um irmão mais novo, ter alguém que pudesse olhar para mim como exemplo. E eu poder ser melhor do que o que eu tive. E agora deste-me essa hipótese. A hipótese real de ser melhor, porque a motivação é a melhor. A motivação é o futuro dele, a bênção que é poder ajudar alguém a aprender a viver.

O meu natal como disse foi dois dias atrás quando tive com vocês e tudo era bom, pois era a minha família. A família que eu quero para os meus natais, de agora para a frente.

Sem comentários :

Enviar um comentário